sábado, julho 28

Ninguém está preparado para o que virá em Agosto

Esta será uma eleição nenhuma outra anterior...
 A partir do dia 05 de Agosto os candidatos podem registrar suas candidaturas à Presidência no TSE - Tribunal Superior Eleitoral. Uma vez que forem homologadas, estes serão oficialmente pretendentes ao Palácio do Planalto. Até hoje poucos candidatos tiveram seus registros negados, mas esta Eleição será a primeira em que Lei da Ficha Limpa estará em pleno vigor. E todos sabem de um certo candidato que gerará muito debate e dor de cabeça ao TSE, ao STJ e ao STF.

Antes de prosseguir, e caso o amigo leitor não saiba do que se trata, a Lei da Ficha Limpa barra candidaturas de políticos que tenham sido condenados em 2ª Instância, não sendo necessária a transição em julgado da ação penal. Assim sendo, todos que estejam nesta situação ao pedirem o registro estarão proibidos de disputar a Eleição. E é aqui que começam os problemas: quando e como dar-se-á tal negação?

Não existe jurisprudência para isso. Antes de mais nada, o ex-Presidente Lula poderá participar de debates, estando ele cumprindo pena em regime fechado? E o atendimento ao que determina tratamento igual a todos os candidatos, como será seguido? Se a justiça entender que ele possa ir aos debates e entrevistas, como proibir outros presos que cumprem pena de também saírem quando solicitarem? E os custos para isso, quem bancará?

Pois é, não é fácil. Eu tenho minha próprias conclusões, mas não é disso que eu quero tratar e sim do caos que será instalado. Para facilitar, ou complicar, a Procuradora Geral da Republica Raquel Dodge, sem citar Lula, disse que a PGR ajuizará pedidos de embargos contra todos que não possam disputar a eleição com base na Lei da Ficha Limpa. Dos atuais postulantes à Presidente só Lula se encaixa nisso. 

O PT já definiu que registrará a candidatura de Lula apenas no dia 15, último prazo. Estão contando com uma eventual lentidão do TSE e a enxurrada de recursos para que o nome de Lula esteja na carga das urnas, prevista para o dia 26. Se conseguirem que ele esteja candidato até esta data, o problema será - para a eleição - ainda maior: ele aparecerá na Urna, mas pode ter seus votos considerado nulos, por uma decisão até mesmo no dia da eleição. 

O que aconteceria então? Bom, uma das consequência pode ser um candidato eleito com pouco mais de 25% dos votos. Sim, seria possível, caso só 50% dos votos fosse válidos, porque neste caso os 25% virariam 50% e o candidato seria eleito. Outra consequência seria se tivermos segundo turno: quem disputaria? Lula e outro, os 2 mais votados fora Lula? E se a guerra das liminares seguirem, teríamos mesmo segundo turno?

Para o bem da Democracia, uma decisão definitiva antes do dia 26 é o mais ideal, mas eu não vejo muitas chances disso. Basta ver a quantidade exorbitante de pedidos que a defesa do ex-presidente tem feito desde que foi condenado pelo TRF-4 em Março. Duvido que ele pare, até porque a ideia é seguir na toada de perseguido pelas instituições. O debate deixará de ser em torno de propostas - que não aconteceu em 2014 - para ser tudo em função de Lula ser ou não candidato. Imaginem um debate sem ele, a repercussão negativa que será para o Brasil que já anda bem mal no mundo inteiro...

Esta campanha será inédita. E torço que nunca mais aconteça isso e que alterações sejam feitas na Lei da Ficha Limpa, determinando de forma clara como se aplicar a lei e evitando buracos jurídicos como este que se avizinha. Por falar em buraco, a melhor definição possível é a do Negro, figura cósmica que suga tudo que passar perto dele. É o que acontecerá...

domingo, julho 22

Deputado Estadual Rogério Leão participa de solenidade em São José do Egito nesta sexta-feira (20)




Nesta sexta-feira (20), a Câmara Municipal de Vereadores de São José do Egito prestou homenagem ao pai do jornalista Inaldo Sampaio, o senhor Antônio Jorge. A solenidade comemorou o Centenário de Nascimento desta ilustre personalidade egipciense. 

"Tive a honra de participar do belo evento juntamente com o ex-deputado José Marcos. É justa a lembrança feita por esta Casa Legislativa", diz o parlamentar.

Fonte: Blog Belmont Verdade

segunda-feira, julho 9

Rogério Leão e Sebastião Oliveira recebem apoio de base eleitoral em Tracunhaém



O deputado estadual Rogério Leão, continua ampliando sua base eleitoral em Pernambuco. 

A confirmação de apoio vindo do prefeito de Tracunhaém, Belarmino Vasquez, do vice-prefeito, Deca de André e de mais oito vereadores, aconteceu na manhã desta sexta-feira (6), em um grande evento no município.

Durante a solenidade, o deputado estadual Rogério Leão, anunciou também uma Emenda Parlamentar para compra de uma UTI móvel, que garantirá o transporte de pacientes dentro e fora do município e contribuirá para melhoria da qualidade dos serviços de saúde para população.

Foi assinada também a Ordem de Serviço que garantirá a pavimentação de oitenta e seis ruas na sede do município de Tracunhaém.

O prefeito Belarmino Vasquez, o vice-prefeito Deca de André e mais oito vereadores - dos nove eleitos - anunciaram apoio ao deputado estadual Rogério Leão e ao deputado federal Sebastião Oliveira.

Fonte: Blog Belmonte Verdade

domingo, julho 8

Croácia mostra que pode sim ganhar a Copa

Modric busca entrar no seleto grupo de capitães a levantar a Taça...
Numa partida movimentada, a Croácia eliminou o anfitriã Rússia nos pênaltis, após 2x2 os 120 minutos. Os croatas foram melhores em boa parte do jogo e estiveram mesmo mais perto da vitória, mas o drama foi grande. 

O time saiu atrás tomando um golaço de Cherichev, mas empatou pouco depois em um grande contra ataque. Teve mais chances até o fim, mas o 1x1 seguiu. Ainda teve tempo para um grande drama: Subasic sentiu a coxa em uma bola boba, com o time sem poder fazer mais alterações. Ele ficou na prorrogação mesmo machucado, o que foi ótimo porque um colega se machucou. E Subasic ainda fez duas grandes defesas, mesmo sem impedir o gol de empate ( Vidah tinha feito 2x1 no 1º tempo da prorrogação ). 

Nas cobranças, Subasic machucado pegou um. E terminou por fazer a diferença, permitindo que Rakitic pudesse colocar o time da camisa enxadrezada na sua segunda semifinal da história. Modric atuou como um grande líder, comandou o time e se colocou como candidato a craque da Copa, caso o time chegue ao título. Terá que passar pela Inglaterra, mas para mim é mais time e tem tudo para ir pra Final.

Os russos fazem mais do que deles se esperavam mas fica o gostinho amargo de que daria para ir mais longe. Em todo caso é uma bela campanha e se credenciando para outras grandes competições.

sexta-feira, julho 6

Brasil melhora no 2º tempo ,cria chances mas é eliminado da Copa

Courtois fechou o gol quando acertamos o alvo...

Quando o Brasil é eliminado de uma Copa do Mundo, via de regra, sempre tendemos a minimizar o rival e colocar tudo na conta de uma falha nossa, normalmente escolhendo um vilão. Hoje, talvez, tenhamos tido uma eliminação que divirja de todas as anteriores, pois o Brasil partiu pra cima com tudo, tentou de todas as formas e exigiu que os belgas lutassem por cada bola como se a vida dependesse disso. Tivemos chances para empatar e até virar, mas fizemos apenas um. 

A Bélgica recuou, como todo que volta para o segundo tempo com 2x0 de vantagem. E quando o Brasil fez com Renato Augusto, o time dos Red Devils sentiu o baque e como um boxeador ficou grogue, a espera do nocaute. Que por pouco não aconteceu com o mesmo Renato Augusto em finalização que saiu por pouco. Ou com Roberto Firmino. Ou 2 vezes com Douglas Costas ( como ele não entrou no começo ). Ou com Coutinho. Ou no fim com Neymar. Foram várias chances, mas não saiu o empate. E os Belgas seguravam a bola no ataque. E que se louve que não bateram, jogaram limpo e na bola. 

A derrota é doída porque foi apenas a segunda de Tite no comando e a primeira onde o time comandado por ele tomou 2 gols. Além disso, ainda podemos destacar que o Brasil não desistiu e lutou até o fim da partida. E que os belgas souberam vencer. Paciência, perdemos para um time que foi taticamente bem, com seu técnico que mudou para melhor seu time. Não podemos, contudo, esquecer que Tite decidiu ficar amarrado com Gabriel Jesus no time, enquanto que Firmino merecia ser titular. Mas isso pode ser debatido depois.

Deixo este post sem notas, porque não seria justo. Mas depois eu faço avaliações de todos os que jogaram.

Nada deu certo e o Brasil ainda ajudou uma ótima Bélgica no 1º Tempo

Um resumo do 1º tempo...
Um primeiro tempo que parecia bom, ruiu num gol contra de Fernandinho onde ele acusou que Gabriel Jesus lhe atrapalhara. O fato é que o gol aconteceu, quando o Brasil parecia melhor em campo. Mas o time foi a frente e ainda criou alguns lances até que num contra ataque onde ninguém fez falta tática e nem marcou pra valer e saiu o segundo gol.

Daí para frente o Brasil ficou perdido em campo e quase levava o terceiro, embora tenha tido chances de marcar o primeiro. A ineficiência de Gabriel Jesus no ataque e a inutilidade de Fagner em campo cobraram seu preço. Agora é buscar no segundo um resultado épico. Que não tem cara de que virá.

Pelo lado belga, Roberto Martinez pode-se dizer que deu um nó tático em Tite. Conseguiu anular boa parte do meio campo do Brasil. Acertou nas trocas e mereceu o 2x0, que por pouco não eram 3.

  • Allison, 5. Não apareceu quando exigido;
  • Fagner, 4. Até quando defenderão ele na Copa?
  • Miranda, 7. Um gigante na marcação;
  • Thiago Silva, 6. Sofreu com o ataque envolvente belga, mas não comprometeu;
  • Marcelo, 5,5. Sentiu a falta de ritmo e não foi o que dele se espera;
  • Fernandinho, 5. Além do gol contra, não fez a falta no segundo gol;
  • Paulinho, 5. Um dos piores em campo;
  • William 5. Perdido. Saiu no intervalo;
  • Coutinho, 5,5. Não armou e nem recompôs na marcação;
  • Neymar, 5. Não pode fazer tudo, mas foi pouco produtivo;
  • Gabriel Jesus, 4. Não fez nada em campo. E saiu sem merecer nem ter entrado.
  • Tite, 4. Não poderia manter Gabriel em campo. Custou caro.

quinta-feira, julho 5

E não se fala em outra coisa além de Neymar...

Ele é o craque da Copa... discorda? Você não está sozinho nessa...
Eu sou suspeito para falar sobre Neymar. Ele é um dos maiores ídolos da história do meu Clube, o Santos. Assim sendo, é altamente natural para mim falar sobre ele. Se eu vi uma conquista de Libertadores devo a ele, principalmente. Sou fã assumido e não faço questão de esconder. Mas Neymar virou o assunto da Copa.

Em todas as entrevistas da Copa, não só as do Brasil, tem ao menos uma pergunta que o envolva. Diversos ex-jogadores internacionais teceram duras críticas a ele. De Peter Schmeichel à Gary Lineker, muita coisa foi postada, dita, escrita e falada. E muita groselha também. Lineker criticou a encenação dele contra o México, mas no dia seguinte vários jogadores fizeram o mesmo e ele não criticou. 

Neymar vem crescendo na Copa, onde até mesmo sua atuação menos brilhante ele não se escondeu e amarelou vários suíços. Depois teve bom papel na vitória sobre a Costa Rica, mesmo com o drama da demora dos gols e contra a Sérvia ele foi ainda melhor. E diante dos mexicanos ele deitou e rolou ( bastante ). O que se espera dele amanhã é mais uma boa atuação. Se ela virá ou não é, outro ponto. 

O craque sabe que precisa jogar bem, mas que precisa do coletivo do time. Vencer a Copa trará a ele o reconhecimento que anseia ter desde criança. Mas para ganhar é preciso que o melhor Neymar venha tona, driblando, sendo insinuante e decidindo, seja com gols ou servindo seus companheiros. Estaria ele preparado para isso? Talvez sim, talvez não. Mas o certo é que, de uma maneira ou outra, ele seguirá sendo o assunto da Copa. Mesmo não consiga classificar o Brasil amanhã...

segunda-feira, julho 2

Japão foi valente e muito ingenuo em doses cavalares para perder da Bélgica

Deu pena...
O Japão era a zebra e o time sabia disso. Decidiu então agir como equipe inferior que é e buscou jogar fechado. Segurou o 0x0 no primeiro tempo, mas conseguindo algumas estocadas, mas a Bélgica foi melhor, mas sem assustar como esperado. Voltou para o segundo tempo em busca de surpreender, e logo fez 1x0 em contra ataque primoroso. Pouco depois fez 2x0 e deu a impressão de que poderia fazer mais do que se classificar, até mesmo passando o carro na favorita. E neste momento foi de um ingenuidade sem parâmetros.

Primeiro porque o correto seria manter o ritmo forte e pegado na marcação e não se abrir como fez. E segundo porque passou a trocar ataques com os belgas, que são melhores, e muito, que os nipônicos. Tudo bem que o gol espírita belga trouxe os rivais para o jogo, mas depois disso a pressão só aumentou. E ao invés de seguir atuando como seleção franco atiradora, o Japão quis trocar ataques com o adversário. E ai veio o empate. E no final da partida foi ao ataque querendo vencer e terminou perdendo num contra ataque mortífero, mais do que fizera para abrir o placar.

Quanto a Bélgica, tanto pode ganhar casca quanto achar que foi um jogo fora da curva. Tem talentos de sobra para tirar ensinamentos e fortalecer-se para as quartas. É um adversário de respeito que virá com o moral alto, mas também desnudou seu problemas na zaga e na proteção da defesa. O que parece um prato cheio para o ataque brasileiro. Outro fator é que a vitória veio devido que Roberto Martinez subira a altura da equipe e buscou o jogo aéreo. Alo que contra o Brasil não tende a funcionar.

Sexta, às 15:00hs, veremos do que esta "geração belga" é capaz. Valerá vaga na Semifinal.

Brasil se classifica com um grande segundo tempo

Firmino aproveita sobra de toque de Neymar e define a partida
Num segundo tempo acima da média, o Brasil fez 2x0 num México valente e classificou-se às quartas de final sem grandes sustos. Neymar e William destroçaram a defesa mexicana no lance do primeiro gol, e o camisa 10 quase fazia o segundo não fosse o goleiro, mas Roberto Firmino selou a vitória. A defesa seguiu forte, mas os laterais ficaram devendo, sobretudo Felipi Luiz.

Agora é esperar o rival e jogar ainda melhor. A notícia é que o Brasil tem crescido na competição e feito sempre uma partida melhor que a outra e assim que vence a Copa. E até aqui só um gol sofrido.
  • Allison, 6. Fez uma intervenção apenas. E boa;
  • Fagner, 5,5. Quase não apareceu no ataque, mas melhorou na defesa;
  • Miranda, 6. Faz Copa soberba, um pecado não ter jogado 4 anos atrás;
  • Thiago Silva, 6. Joga com simplicidade e é um dos melhores da Copa;
  • Felipi Luiz, 6. Uma partida discreta, mas boa assim mesmo;
  • Casemiro, 7. Uma pena o cartão, ele é um dos melhores do time;
  • Paulinho, 5,5. Não tem achado seu jogo. Por mim não jogaria nas quartas;
  • Fernandinho, 7. Passe mágico para Neymar no lance do segundo gol;
  • William, 7,5. Este é o William que todos conhecemos e queremos;
  • Marquinhos, sem nota. Entrou para ganhar tempo.
  • Coutinho, 6,5. Caiu no segundo tempo, mas ainda sendo importante;
  • Firmino, 7. Fez o gol que quase Neymar marcava, não fosse o ótimo Ochoa.
  • Neymar, 8. Melhor em campo, fez de tudo. Melhor atuação dele na Copa;
  • Gabriel, 6. Não está na sintonia da equipe. Doa-se em campo, mas tá devendo;
  • Tite, 6,5. Acertou nas substituições, mas precisa mudar o time titular para as quartas.

Primeiro tempo movimentado, mas o Brasil tem muito o que melhorar

Melhor chance do Brasil, com Gabriel...

Em um primeiro tempo disputado em altíssima velocidade, o México levou sustos à defesa brasileira, com alguns bem perigosos. O time de Osório buscou aproveitar ao máximo à Avenina Fagner, e foi pelo lado do lateral onde aconteceram as grandes ações do time tricolor. Passado os primeiros instantes, o Brasil passou a tomar conta da partida e por pouco não abria o placar.

Se acertar mais passes tem tudo para vencer no segundo tempo. Eu colocaria Firmino de cara, mas isso creio que o Tite não fará.
  • Allison, 6. Fez uma intervenção apenas. E boa;
  • Fagner, 5. Falho como sempre, não deu conta da marcação;
  • Miranda, 6. Foi bem e ainda se jogou na frente dos chutes dos mexicanos;
  • Thiago Silva, 6. Discreto e eficiente;
  • Felipi Luiz, 6. Na média dele, não comprometeu;
  • Casemiro, 6,5. Um leão na marcação e ainda arma o time;
  • Paulinho, 6. Sumido. Nem marcou e nem armou;
  • William, 6,5. Quis mais o jogo, sua melhor atuação na Copa;
  • Coutinho, 7. Sempre perigoso. Chutou a gol e foi o mais lúcido do time;
  • Neymar, 7. Buscou o jogo e sofreu faltas pendurando os rivais;
  • Gabriel, 6,5. Teve boa chance e movimentou-se melhor.
  • Tite, 5,5. Não poderia sofrer tanto no começo do jogo, parece não ter antevisto isso.

Brasil é favorito, mas também o era em 2014 contra o Chile e quase que...

Brasil é mais time, mas o México pode sim sair classificado...
Houveu um tempo em que Seleções tremiam diante do Brasil. Algumas tremem até hoje, mas o número de times que perderam o temor pela "amarelinha" é bem reduzido. A maioria dos selecionados não enxergam mais o Brasil como um adversário invencível. O México é uma destas equipes, que vem colecionando vitórias e bons resultados desde o fim dos anos 90. De um vitória em uma Copa das Confederações que sediaram, por triunfos em Copa América e não menos importante, uma medalha de ouro em Londres. Bom, já deu para entender que os mexicanos tem triunfado bem diante de nós. 

Claro que analisando time a time temos que o Brasil é bem melhor, mesmo com Marcelo no banco, em decisão que pode ser provar acertada ou um grave erro. Depende se o Brasil passar, é claro. Mas o selecionado treinado Juan Carlos Osório merece respeito, mesmo que tenha decaído durante a Copa, mas assim é uma boa equipe. Lamentaram muito o fato de terem ficado em segundo, e com isso encarar o Brasil. Poderiam ir mais longe do outro lado da chave. Agora precisam encarar um fantasma: o de não passarem das oitavas desde 1986, quando sediaram pela segunda vez a Copa. Desde 1994 que em todas as Copas o México passa de fase, mas em TODAS caiu exatamente nas Oitavas. E encarar o Brasil, convenhamos, não é nada auspicioso.

Tite, por outro lado, sabe bem o que esperar. E, ao que parece, está preparado para isso. Tem um time que vem crescendo e toma - repito - uma atitude acertada ao deixar Marcelo no banco, mas isso vai depender da classificação. Escalar Marcelo talvez fosse o correto, mas ele claramente não tem condições de encarar uma prorrogação e um técnico pragmático como Tite claramente precisa contar com isso. Se tivermos mais 30min ele teria que mexer na equipe, queimando uma alteração vital. E se tivermos 2 jogadores machucados e/ou em pior situação que Marcelo? Prudência nunca é demais...

No ataque Gabriel Jesus está pressionado. Nunca um camisa 9 do Brasil ficou tanto tempo sem marcar em Copas e Firmino está voando pedindo um lugar no time. Outra atuação, mesmo que boa mas sem gols, pode selar seu destino como titular. Outro que precisa mostrar mais é William, mas este sofre do esquema, porque convenhamos Fagner não dá. Mas como Douglas Costa deve ficar disponível para uma eventual quartas de final, é bom ele render mais hoje. No mais, é o mesmo time que venceu bem a Sérvia. Neymar e Coutinho estão jogando o fino e devem desequilibrar o confronto para o Brasil.

O Brasil é mais time, mas a Espanha também o era contra a Rússia ontem. Portanto, é bom lembrar bem do drama que foi encarar o Chile quatro anos atrás, com direito a bola de Pinilla que quase nos eliminava... se bem que, talvez, tivesse sido melhor. Como não sou de fugir da raia, creio que o Brasil vença bem por 3x1.

domingo, julho 1

Modric quase vira vilão, mas Croácia segue na Copa

Modric perdeu pênalti, mas viu o goleiro Subasic salvar a sua barra
Por muito pouco um craque desta Copa não virava vilão da eliminação do seu time diante da Dinamarca. Tudo porque perdera uma pênalti quase no fim da prorrogação da partida, que simplesmente foi colado pelo goleiro Kasper Schmeichel. Antes de prosseguir, um relato da partida que foi bem movimentada, com os 2 gols acontecendo antes dos 5 minutos. O da Dinamarca numa confusão tremenda dentro da área e o goleiro Subasic colocando para dentro. O da Croácia não foi menos curioso, pois veio depois que um dinamarquês buscou tirar a bola mas acertou um companheiro e a bola sobrou para Madzukic empatar. 

Durante o restante da partida foi um pouco modorrenta, com uma Croácia incrivelmente sem inspiração e a Dinamarca brigando por cada bola. Mas o 1x1 seguia no placar e assim foi até o fim do tempo normal. E seguia na prorrogação... até o lance mencionado na abertura deste post. E com esta defesa, o momento da partida teria virado para o lado dos nórdicos. Mas havia ainda Subasic, o goleiro croata.

Que decidiu fazendo 3 defesas de pênaltis, ofuscando justamente Schmeichel que catou 2 cobranças croatas, mas viu seus colegas errarem muito mais. E assim Modric foi salvo pelo colega goleiro, embora sua cobrança tenha sido péssima e quase, novamente, defendida por Schmeichel. 

Passa o melhor time, mas que sofreu demais e que quase caía diante de um rival inferior. E fica uma dica: nunca um time venceu duas cobranças de pênaltis seguidas. Então se mantendo esta máxima ou teremos alguém quebrando-a ou o semifinalista sairá no tempo normal ou no máximo na prorrogação. Que croatas e russos fiquem espertos...

Espanha pediu para ser eliminada. E conseguiu

Momento em que Akinfeev defendia o pênalti decisivo...
O time da Espanha era amplo favorito. Saiu na frente ao receber um grande presente russo, mas deu outro em um pênalti bem marcado e infantilmente cometido por Piquet. No segundo tempo e na prorrogação teve a posse de bola mas pouco agrediu os donos da casa. Girava a bola de pé em pé, mas sem produzir chances reais de gols. Os russos se desdobravam em campo e se seguravam como dava. Deram tudo o que podiam e saíram sem tomar gol.

Ai vieram as cobranças de penalti e Akinfeev, vilão em 2014, catou duas cobranças e consolidou uma zebraça nesta Copa. Aos espanhóis restarão muitas explicações e voltará a tona a desastrada demissão de Julen Lopetegui quando este confirmou ter assinado com o Real Madrid. Os donos da festa agora esperam por seu adversário que sairá entre Croácia x Dinamarca, que agora jogam a prorrogação empatadas em 1x1.

A lamentar, apenas, que um ídolo como Andréz Iniesta não merecia se despedir assim das Copas. Mas é a vida e a Real Federação Espanhola terá muito o que explicar depois desta eliminação e suas ações tomadas desde a demissão de Lopetegui. E a Copa perde outra favorita, crescendo ainda mais as chances de que um país Europeu que nunca jogou a final chegue lá. Ainda resta a Inglaterra, mas esta não deve durar muito...

E a Copa também acabou para Cristiano Ronaldo

O "gajo" também está fora da Copa...
Foi um jogaço. Com menos gols que a partida anterior, Portugal e Uruguai fizeram uma partida, digamos assim, mais intensa, com muito mais drama. Se todos realmente esperavam pela supremacia dos franceses, entre lusitanos e charruás o equilíbrio deveria ser a tônica. Claro que ninguém esperava por um Edinson Cavani tão mortífero nas finalizações. Mas o fato não muda: no mesmo dia a Copa perdeu os 2 jogadores que dominam o mundo há mais de uma década.

Cristiano Ronaldo, bem marcado, teve uma atuação apagada. Não criou chances de gols e nem parecia inspirado, ficando restrito a uma ou outra cobrança de falta. Era o caso para outros atletas brilharem, mas... quem? Pepe ainda fez o gol do empate, mas a defesa falhou coletivamente no 2x1 do imparável Cavani. Ai não tem melhor do mundo que possa resolver. Na próxima Copa ele terá 37 anos, mas como é um primor atlético, teoricamente possa jogá-la. Ao contrário do que cogita-se para Messi, que mesmo com 35 tende a não marcar presença na Copa do Quatar.

Pelo lado Uruguaio fica a imensa preocupação sobre Cavani, que saiu sentindo a panturrilha ( gerando uma bela imagem desta Copa ) e sem ele, o time ficaria dependente demais da atuação de Luiz Suaréz. O que seria um grande problema, sem dúvida. Pelo lado da França é bom ter em mente que a defesa do time de Oscar Tabarez é muitas vezes melhor do que a piada que é setor defensivo argentino. O fato é que será um jogaço entre dois belos times por uma vaga na semifinal.


sábado, junho 30

E a Copa da Rússia acabou para Messi

Messi, sozinho, lamenta enquanto os franceses festejam...
Existem exemplos na história das Copas onde um super craque venceu, quase sozinho uma Copa. Mas em todos os casos, existia um equipe minimamente organizada, mesmo que carente de qualidades individuais havia um jogo coletivo. Garrincha em 62 tinha vários craques ao seu lado. Maradona em 86 tinha um grupo abnegado para que ele brilhasse. Romário em 94 tinha quem o apoiasse a ganhar o Tetra. Não é o caso de Messi com a seleção Argentina.

Excluindo o time da Copa passada, com uma defesa fortíssima, Messi nunca teve uma equipe que ajudasse a brilhar. Era reserva em 2006, no bom time treinado por Jose Pekerman e pouco jogou. Na África do Sul pouco pode realizar na bagunça do time "treinado" por Maradona. No Brasil foi eleito o melhor jogador da Copa, mas viu seus colegas perderem gols incríveis na Final contra os alemães. E agora nem mesmo se destacar pôde, porque a seleção portenha foi um desastre.

A eliminação contra a França de Mbappé era o mais esperado, mas foi num jogaço maluco, que terminou em 4x3 e já é um épico da história das Copas. Mas ele pouco fez, não porque não saiba o que fazer, mas porque inexiste time na Argentina. Uma pena, porque podemos ter visto hoje sua última partida em Copas. No Quatar ele terá 35 anos e até pode participar, mas não será mais um atleta em seu auge.

E não sei vocês, mas eu começo a ter medo desta França nas Semifinais. Isso, é claro, caso cheguemos lá...

sexta-feira, junho 29

60 anos do dia em que o Brasil se tornou o país do Futebol

Em pé: Feola ( técnico ), Djalma Santos, Zito, Belini, Nilton Santos, Orlando e Gilmar.
Agachados: Garrincha, Didi, Pelé, Vavá e Zagallo.

Seu pai talvez não seja tão velho quanto esta foto ( o meu é 12 anos mais velho ), mas estes jogadores são os responsáveis por quebrar a síndrome de vira-latas, como cunhara Nelson Rodrigues. Eles vingaram 50 e se colocaram no Olimpo do Futebol, sendo - ate hoje - o único  campeão que mais marcou 10 gols somando a semi e a final. 

Antes de contar como este time ganhou a Copa, que tal falar o contexto dos anos 50. O Brasil vinha da "mãe de todas as derrotas" na Copa que organizamos em 1950, trocamos de uniforme ( de branco e azul para o amarelo tão famoso ), jogamos na Suíça sem que se soubesse sequer o regulamento e protagonizamos papelão em uma excursão na Europa, com cenas lamentáveis.

Foi quando um certo João Havelange assumiu a CBD ( Confederação Brasileira de Desportos, que na época cuidava de TODOS os esportes ) e trouxe um pouco de organização, mas que comparado com o que não tinha pareceu uma mega revolução. Colocou um Chefe de Delegação de pulso firme ( Paulo Machado de Carvalho ), trouxe profissionais médicos para o time ( Dentistas e Psicologo ) e deixou nas mãos deles a formação do time.

O elenco era, não tinha como fugir, um misto de cariocas com paulistas. Unia grandes jogadores já veteranos como Didi e Nilton Santos ( este o único remanescente da derrota pro Uruguai ), jogadores em meio de carreira  como Djalma Santos, Belini e Castilho com jovens revelações tais como Pelé. Tudo isso aliado com jogadores táticos ( Zagallo ) e extremamente dedicados ( Belini e Orlando ). Tudo, podemos assim dizer, convergiu porque um garoto de 17 anos, um jogador de pernas tortas e um atacante com apelido de peito de aço jogaram como ninguém poderia esperar. E tinha um líder: Valdir Pereira, o Didi. Melhor jogador daquela Copa, convém lembrar. Fala-se muito dos 11 da final ( foto acima ), mas existiam tantos outros: Joel, Dida, Dino Sani, De Sordi ( que só ficou de fora justamente da final ) Mazzola, Pepe, Mauro, Castilho, Oreco, Moacir e Zózimo. Estes 11 reservas ( alguns foram titulares em parte da campanha ) talvez conseguissem fazer uma Copa digna, mas não a venceriam, com certeza. Mas merecem destaque, porque não fariam feio no lugar de seus titulares ( exceção aos laterais ).

Chegando na Suécia, o time tinha Dida como o ponta de lança, Joel como o ponta-direita e Dino Sani como o volante. Venceu a Áustria por 3x0. Na sequência, ficou no 0x0 contra a Inglaterra, já com Vavá no lugar de Dida. Para o jogo decisivo contra os Russos, três mudanças teriam sido impostas ao técnico Feola por Nilton Santos e Didi: Pelé no lugar Mazzola, Garrincha no de Joel e Zito no de Dino Sani. E o resto virou história, com os 3 minutos mais impressionantes da história da Copa, com 2 gols de Vavá. Depois o suadouro contra o Pais de Gales, só vencido na genialidade do menino Rei. Depois passamos pela França com um sonoro 5x2, que pese que o zagueiro Jonquier quebrara a perna numa dividida com Vavá. Como não tinham substituições, os franceses ficaram com 10.

Para a final, um problema: Brasil e Suécia usavam o mesmo padrão de camisas. O que fazer? Hoje em dia isso é definido bem antes ( com O resto o time que fica a esquerda do confronto mudando de camisa ), mas 60 anos atrás... foi feito um sorteio. E o Brasil perdeu, tendo que jogar de azul. Logo, o pânico poderia ser gerado pela troca de camisas. Como não pensar nos fantasmas de 1950? E eis que o Marechal da Vitória, termo cunhado depois da conquista, Paulo Machado de Carvalho teve a grande ideia ( enquanto Mário Américo cortava números e escudos das camisas amarelas para passar a noite costurando as camisas azuis recém compradas ) de dizer a todos: "iremos jogar de azul, que é a cor do manto de Nossa Senhora Aparecida, a Padroeira do Brasil!!!"

O resto da história, todo mundo que conhece algo de Copas, sabe: choveu, os suecos enxugaram o campo, Djalma Santos entrou no lugar De Sordi por motivos até hoje não totalmente claros, o Brasil saiu atrás e Didi carregou a bola com calma enquanto conversava com os colegas, Garrincha entortou os "joões" suecos em 2 lances idênticos para gols de Vavá, Pelé fez 2 gols e Zagallo mais um. E ao fim Hideraldo Luiz Belini levantou a Jules Rimet como nunca antes nenhum outro capitão fizera. E de "vira lata" o Brasil virou o país do futebol. E tudo isso deve-se aquele time, que naquele 29 de Junho tornou a Copa do Mundo uma possessão brasileira.

O capitão Belini puxa a fila de jogadores com a bandeira da Suécia...

quinta-feira, junho 28

Com o fim da 1ª Fase, eis que sabemos o caminho até a Final

Bélgica e Inglaterra fizeram um bom jogo que colocou o primeiro no caminho do Brasil...

48 jogos depois, termina a primeira fase de uma boa Copa, com apenas uma partida sem gols e onde todas as equipes marcaram, ao menos, 2 gols ( primeira vez que isso acontece na história ). Tivemos grandes confrontos, grandes atuações e batalhas campais no bom sentido do termo. A Copa tática, onde as defesa sobrepujassem os ataques não aconteceu. Até aqui, é claro.

16 vão embora e 16 seguem para, pelo menos, mais uma batalha. E estas 16 estão divididas de forma nada proporcional entre os continentes, como podemos ver a seguir:
  • 10 representam a Europa: Portugal, França, Bélgica, Espanha, Rússia, Croácia, Dinamarca, Suíça, Suécia e Inglaterra. Apenas Sérvia, Alemanha, Polônia e Islândia foram eliminadas;
  • 4 representam a América do Sul: Brasil, Argentina, Uruguai e Colômbia. Só o Peru ficou de fora.
  • 1 representa a América do Norte e Central: México. Panamá e Costa Rica passaram ser sequer vencer uma partida;
  • 1 representa a Ásia: Japão. Arábia Saudita, Irá e Austrália ficaram pelo caminho;
  • Nenhum representa a África, com todos sendo eliminados, a maioria na lanterna ( Marrocos, Senegal, Tunísia, Nigéria e Egito.
Além disso, na composição das Chaves, também verifica-se uma desproporcionalidade incrível: de um lado da Chave temos 7 Europeus e 1 intruso, no caso a Colômbia ( a segunda linha na imagem no fim deste post ) e do outro lado da Chave 3 Europeus, 3 Sulamericanos, 1 norteamericano e 1 asiático. Se a Colômbia não protagonizar um milagre, um time da Europa já está garantido na Final. Do outro lado, onde está o Brasil, ficou bem pesado, pois tem 10 títulos ( metade das Copas disputadas ) e ainda conta a atual campeã europeia, sem falar que tem a "supostamente" melhor seleção da Copa ( Bélgica ).

Quanto ao Brasil, o adversário não é temível, mas merece respeito. Osório conhece de futebol e tem um bom time nas mãos, mas é inferior ao Brasil. Passando, em tese, encararemos a Bélgica e sua geração de "ouro". Será uma páreo duro. Em uma eventual semifinal, o Brasil teria pela frente um rival local ( Argentina ou Uruguai ) ou um duro europeu ( França ou Portugal ). Se passar, na final ai - arrisco com grandes chances de acertar - que era um time da Europa, podendo ser a Espanha, que parece ganhar corpo durante a Copa. Mas se fosse apostar num franco atirador, eu iria de Croácia.

Em todo caso, tem que passar um time por vez e o México tem dado trabalho imenso ao Brasil.


quarta-feira, junho 27

A maldição da campeã persiste: Alemanha termina na lanterna de seu grupo

Ganhou a Copa? Na outra é fiasco!!!
Desde que a Copa passou a contar com 32 seleções, na França 1998, que somente uma vez o campeão de uma Copa passou da primeira fase na seguinte. E este time foi o Brasil em 2006 e mesmo assim com um futebol terrível e tomando um baile histórico de Zidane. E mesmo antes da Copa ter 32, podemos ver um método em outras Copas, como em 82 ( Argentina ), 86 ( Itália ) e 94 ( Alemanha ). Até mesmo o Brasil em 98, quando mesmo chegando à final sofreu com péssimo futebol e levando uma surra da França.

A França em 2002, Itália em 2010 e a Espanha em 2014 tinham efetivado desastres históricos, com a Fúria levando até goleada. Acontece que agora na Rússia a atual campeão parecia fadada a superar este estigma. Parecia, porque não conseguiu. Com 2 derrotas e uma suadíssima vitória contra a Suécia, mas ficou de fora. E não apenas ficou de fora, mas terminar na lanterna no grupo. Perder para uma Coreia do Sul eliminada e muito tecnicamente inferior é desastroso, mas que destaque a garra e determinação coreana, dignas de louvores. Mas não diminui o fiasco germânico.

O que deu errado? Várias coisas, é claro. Uma delas erros na convocação de Joachim Low, deixando alguns atletas de fora, como Sané. Outra foi apostar em medalhões como Ozil, Khedira e Hummels. Ou ainda bancar Neuer como titular enquanto Ter Stegen fez uma temporada quase perfeita. Por fim uma falta de ideias novas, tornado o time previsível demais. Tudo isso junto, deu na pior campanha da história alemã na história das Copas com fase de grupos ( em 1938 o sistema era eliminatório desde o começo ).

O grupo segue forte e tem condições de se re-erguer. Existe pé-de-obra em boa/ótima quantidade. A questão é saber como se dará o próximo ciclo, se será com Low ou não. Em todo caso, é um vexame sem precedentes. E uma curiosidade: a Suécia eliminou Holand, Itália e agora Alemanha. É bom respeitar os nórdicos.

Brasil vence, convence, e se classifica batendo a Sérvia por 2x0



Havia um temor, justificado diga-se. O time não vinha bem e o adversário era bom. como deixou claro na partida. Mas ele dissipou-se ao longo da partida, com uma boa atuação, segura e consciente do que fazer em campo. O gol de Paulinho foi importante, pela jogada e a segurança que o time demonstrou também.

Neymar deitou e rolou e só não fez o gol, Coutinho foi soberbo e Casimiro monstro. Mas Gabriel Jesus segue devendo, assim como Paulinho. No mais, destaco Thiago Silva numa Copa espetacular até aqui e foi coroado com o gol. Agora é encarar o México de Luiz Carlos Osório, que treinou o São Paulo anos atrás. Adversário duro e que gosta de complicar contra o Brasil. Mas com o empenho demonstrados hoje, eu sou mais Brasil.

Allison, 6. Espalmou uma bola pro meio da área que quase resultava em gol.
Fagner, 5. Como ele foi parar na Copa? Simples, joga no time do técnico.
Miranda, 6,5. Uma parede humana
Thiago Silva, 7. Seguro e ainda fez gol.
Marcelo, sem nota. Machucou no começo da partida. Talvez ainda jogue nas oitavas.
Filipi Luiz, 5,5. Foi mais efetivo no segundo tempo e ainda bateu de fora da área.
Casemiro, 7. Comanda com incrível capacidade o meio de campo.
Paulinho, 5,5. Só o gol e nada mais. E ainda foi eleito o melhor em campo. Como FIFA???
William, 6. Foi melhor no segundo tempo, mas não entendo como ele é titular.
Coutinho, 8. Melhor em campo, fez de tudo na partida. Para um 10, faltou um gol.
Gabriel, 6. Continuo crendo que Firmino merece jogar com centroavante.
Neymar, 7,5. Melhor atuação dele na Copa, não foi o melhor em campo, mas fez o time jogar.
Tite, 6. Armou bem o time, mas errou nas substituição colocando o Renato Augusto, era jogo pro Firmino.

Sem sustos e com boa atuação Brasil vai vencendo por 1x0

Com um bom futebol, o Brasil fez 1x0...
Com um bom futebol e volume de jogo, o Brasil venceu bem a Sérvia por 1x0 e poderia ter feito mais. A defesa portou-se bem, os laterias foram mal ( Felipi Luis não dá e Fagner então ), mas do meio para a frente tudo fluiu bem. Neymar mal calmo, soltando a bola e indo pra cima.

O lance do gol mostrou que treino dá certo: Gabriel Jesus sai da área atraindo a marcação e Coutinho lança na hora certa e Paulinho marca. Neymar teve duas chances e com forçando mais dá para marcar mais e classificar sem grandes sustos. Eu não voltaria com William, apagado na partida. E como não tem outro pra colocar no lugar Fagner...


Allison, 6. Não foi exigido.
Fagner, 5. Não tem capacidade para jogar uma Copa do Mundo.
Miranda, 6. Seguro.
Thiago Silva, 6. Seguro.
Marcelo, sem nota. Machucou no começo da partida. Não deve jogar mais na Copa.
Filipi Luiz, 5. O mesmo que Fágner.
Casemiro, 6. Confiante, dá segurança a Zaga.
Paulinho, 6,5. Estava muito mal, mas recebeu passe primoroso e fez o 1x0.
William, 5,5. Não sei porque entrou em campo.
Coutinho, 8. Só pelo passe do gol, merece merece a maior nota.
Gabriel, 6. Meio tímido, perdeu a melhor chance, mas abriu o espaço para Paulinho marcar.
Neymar, 7. Mais tranquilo, buscou o jogo e quase abria o placar.
Tite, 6. Acalmou o time e conseguiu encontrar alternativas de fazer o time jogar. Pode pecar pelas opções para reserva, se Marcelo realmente estiver fora da Copa.

terça-feira, junho 26

Brasil decide sua vida na Copa contra a Sérvia

Confronto com história, não muito feliz para o Brasil...
Amanhã o Brasil encarará a Sérvia, herdeira do histórico da antiga Iugoslávia em Copas. E esta história inclui 1 derrota ( 1930, na primeira partida de ambos em Copas ) 2 empates ( 1954 e 1974 ) e apenas 1 vitória ( em 1950 na partida decidiu o grupo, por 2x0). Só isso já serve para mostrar que não será fácil a partida amanhã na capital da Rússia, Moscou, no belíssimo estádio do Spartak, às 15:00hs

O Brasil lidera o grupo e com um empate se classifica, mas correria risco de ser o segundo. Se perder, correria risco de ficar de fora, caso dê a lógica na outra partida onde se enfrentam Suíça e Costa Rica. Por isso, vencer é bom para não correr riscos e também para ganhar confiança e ritmo. Mas é bom abrir os olhos.

Do outro lado vem um time bom, mas que não tem um grande destaque individual onde o forte é o conjunto. Os sérvios sabem que perderam a chance contra a Suíça, quando tomaram a virada e reclamaram bastante da arbitragem. Vencer o Brasil para um desafio quase impossível, mas com um partida quase perfeito pode aparecer.

O time do Brasil deve ser o mesmo, até porque vários jogadores estiveram bem contra a Costa Rica, mas se eu fosse apostar em saídas, seriam as de Paulinho e Gabriel Jesus para as entradas de Renato Augusto e Firmino. Não sei se eu faria estas mudanças, sobretudo a segunda, mas o time tem ido mal no primeiro tempo das partidas até aqui. Mudar este marasmo seria salutar amanhã.

domingo, junho 17

Brasil 1x1 Suíça: Em jogo com queda abissal, uma estreia ruim

Alisson não saiu e tomou o Gol...
Depois um primeiro tempo, o Brasil fez um segundo tempo para ser esquecido. Com este futebol o time não terá vida longa na Copa. Tite mexeu mal no time, fazendo substituições sem qualquer sentido e colocando jogadores com pouca produtividade em campo. Alguns jogadores foram nulidades em campo ( veja as notas abaixo ) e outros até que tentaram algo, mas não conseguiram.

Para a próxima partida, a sorte é que o adversário é realmente frágil e em nada de parece com aquele de 4 anos atrás. No mais, algo para esquecer nesta tarde em Rostov.

  • Alisson – 5. Falhou feio no gol, ao não sair.
  • Danilo – 5,5. Estreia em Copa é complicado, mas Danilo sentiu demais.
  • Thiago Silva – 6. Foi bem, discreto e seguro.
  • Miranda – 5,5. Não pode um zagueiro experiente como ele marcar pela frente. Quase decidia no final da partida.
  • Marcelo (C) – 6,5. Foi bem no primeiro tempo, caiu com o time no segundo tempo.
  • Cassemiro – 6. Não comprometeu, mas saiu por ter recebido amarelo.  E o time piorou sem ele.
  • Fernandinho – 5,5. Não acrescentou quase nada.
  • Paulinho – 5. Disperso, nada fez. Saiu merecidamente.
  • Renato Augusto – 4. Porque ele entrou mesmo?
  • Coutinho – 6,5. Fez o gol, mas parou depois dele. E o time sentiu isso.
  • Wiliam – 5,5. Tentou no primeiro tempo, tentou no segundo. Mas pouco fez.
  • Gabriel – 4. Ele realmente entrou em campo? Reclamou de pênalti que eu sinceramente não marcaria.
  • Roberto Firmino – 6. Foi bem melhor do que Gabriel Jesus, o que nem seria tão complicado assim. Pode ter pavimentado caminho para virar titular.
  • Neymar – 6,5. Buscou jogar e não se escondeu, mas foi pouco efetivo.
  • Tite – 5. Time dominou até fazer 1x0, depois parou de jogar. E ele fez mudanças, a meu ver, erradas. Eu jamais colocaria Renato Augusto no time e demorou demais para colocar Firmino.

Brasil vai vencendo por 1x0 e as Notas do primeiro tempo


A pose foi bonita e o gol maravilhoso...
Num primeiro tempo dentro do esperado, com o Brasil com a bola e a Suíça esperando, se bem que os suíços foram até mais ao ataque do que o esperado. Com paciência o Brasil foi aos poucos envolvendo e quase abria o placar com Paulinho, mas foi Coutinho quem fez isso. Uma primeira etapa interessante, mas que pode ser bem melhor no segundo tempo. Agora as notas do primeiro tempo:
  • Alisson – 6. Não teve trabalho, apenas assistiu ao jogo, mas assustou em uma saída de bola.
  • Danilo – 5,5. Sentiu dificuldades naturais, mas pode fazer mais. Pior em campo.
  • Thiago Silva – 6. Segurança em pessoa.
  • Miranda – 6. O mesmo que Thiago Silva.
  • Marcelo (C) – 7. Competente no ataque e em certos momentos atuou até como meia.
  • Cassemiro – 6. Só perdeu uma dividida e poderia ter dado mais velocidade na saída de bola.
  • Paulinho – 6. Começou bem, mas depois deu uma caída. Perdido em campo, mas quase abria o placar.
  • Coutinho – 7,5. Discreto como de costume, marcou um golaço. Como de costume também.
  • Wiliam – 6. A bola passou muito pelos seus pés, mas precisa ser mais produtivo.
  • Gabriel – 5,5. Sumido, o pior do ataque
  • Neymar – 6,5. Chamou a responsabilidade sem ser fominha. Mas pode fazer mais.
  • Tite – 6. Time foi bem, mas existe o que melhorar, como o lado direito e o posicionamento de Paulinho, meio perdido depois que o Brasil fez 1x0.


Brasil estreia contra a Suíça tendo o peso de favorito

Em 1950, foi jogo duro: um 2x2 no Pacaembu
O Brasil estreia na Copa. E só idiotas estão torcendo contra. Não existe ELO entre o time da CBF ( que é uma entidade bem corrupta, diga-se ) com o caos que o Brasil vive desde 2014, muito disso por causa justamente da Copa de 2014 aqui realizada. Hoje é dia de ver a partida e torcer, sim, por uma vitória. Porque todos gostamos de futebol e quando a bola rolar, será bem complicado ficar inerte. 

O time de Tite chega a esta Copa em um cenário raro: sem lesões graves em jogadores, sem grandes ausências e sem crises internas e externas. Tem status de favorito e jogando assim foi campeão em 1962 nesta situação. Perdeu em 82, 98 e 2006 quando era um claro favorito. Mas Tite parece capaz, com o elenco que montou, de suplantar este estigma. Fora de umas escolhas absurdas ( Fágner, Cássio, Renato Augusto, Taisson e Fred ), o time é coeso e tem variações táticas, coisas que raramente tivemos em Copas, vide 2010 quando Dunga olha para o banco e abre os braços... e não tinha talento para colocar em campo.

O time vai com 4 jogadores teoricamente ofensivos: Neymar, Coutinho, William e Gabriel. Mas este quarteto tem mobilidade, onde todos podem atuar em 2 ou até 3 posições. Sem falar que temos Firmino no banco, que pode deixar o time com presença física na área. A defesa une talento, experiência e posicionamento em doses que poucos times podem ofertar.

O rival, tem qualidade. Não se enganem. Bons jogadores e que atuam em grandes equipes do mundo, como Behrami, Xhaka e Shaquiri são perigosos. E a defesa é forte e vai impor dificuldades. A realidade é que o Brasil é favorito, mas precisará transformar isso em volume de jogo e gols.

Messi perde pênalti e Argentina para na Islândia

"La Pulga" não conseguiu levar seu time a vitória...
Não tem jeito: Messi e Cristiano Ronaldo sempre serão comparados. E quando estreia na Copa no dia seguinte ao outro então, as coisas tomam ares poucas vezes vistos. E como o Gajo fez 3 gols no empate contra os espanhóis, o fato de Messi passar em branco e ainda perdendo pênalti, não ajudam em nada. Mesmo que o resultado tenha sido o mesmo, de empate, não tem como negar que o feito de Cristiano fica ainda mais evidenciado quando seu "maior rival" não tem uma grande atuação. 

Messi cobrou 3 faltas, todas ficaram na barreira islandesa. E perde o pênalti. Em lances nos quais Cristiano Ronaldo decidiu. E se levarmos em conta a qualidade dos adversários então, o abismo fica ainda maior. Mas é injusto dizer que Messi jogou mal, uma vez que finalizou 11 vezes e buscou a partida, mas o entorno do time é desastroso, mesmo que tenham jogadores com grande qualidade, mas não uma equipe. O que Portugal nem tem, mas o elenco de apoio é bem pior do que o do argentino. Em suma, nesta primeira rodada, nada ajuda Messi.

Além disso, tivemos isso França 2x1 na Austrália, onde a tecnologia decidiu de forma direta ( e acertada ) nos 3 gols. Ainda vimos a Croácia estrear bem ( 2x0 ) diante de uma apática Nigéria ( para piorar o dia de Messi ), além de uma injustíssima derrota de Peru para a Dinamarca por 1x0, onde Cuevas também perdeu um pênalti.

De bom é que em 3 dias, nada de 0x0. O que já é uma grande notícia... E que Messi e cia se cuidem, porque a Islândia aparenta ser o elo mais fraco do grupo, mas pode vencer a Nigéria e complicar no final até mesmo a classificação dos hermanos, caso não vençam a Croácia...

sábado, junho 16

Já temos uma atuação monstruosa nesta Copa...

Cristiano mostrou que está com fome de bola...

A Copa estava no seu segundo dia, mas a partida era a mais esperada da primeira fase. Porque colocaria em campo uma das favoritas a conquista e o time de Cristiano Ronaldo. A Espanha que trocara de técnico 2 dias antes da estreia precisava jogar bem para manter a confiança em alta. Mas do outro lado existia um tal de Cristiano Ronaldo.

Cristiano está em sua 4 - e talvez última - Copa. Em 2006 era garoto demais e não era a estrela do time que tinha Figo e Deco. Em 2010 comandou um time sem qualidade à classificação para a segunda fase, sendo eliminado justamente pela Espanha. No Brasil, machucado, nada pode fazer. Até ontem, tinha 3 gols em Copas, sempre contra times secundários. Até ontem...

A impressão é que seria Espanha x Cristiano Ronaldo. E foi. Ele fez 3 gols e uma atuação soberba. Fez gols variando a forma e mostrando sua capacidade: mortal na cobrança de pênalti, chutando forte de fora da área ( contando com o frangaço de De Gea ) e cobrando com perfeição uma falta como poucos sabem como ele hoje em dia.

A sua atuação magnifica de ontem, ofuscou todo o restante que houve na partida. Como os 2 gols ( o primeiro um golaço ) de Diego Costa, a pintura de Nacho, a partida soberba de Iniesta ( este em seus últimos jogos em Mundiais ), a fragilidade do elenco de Portugal... nada disso será lembrado, porque a atuação do "Gajo" foi histórica. E detalhe: ele se torna o quarto a marcar gols em 4 Copas, ao lado dos alemães Uwe Seller e Miroslav Klose e um certo Edson Arantes do Nascimento...

Para mostrar a dimensão dele, deixo vocês com a narração de Nuno Matos, da Rádio Antena 1 de Lisboa, um mito da internet. Tente não se arrepiar com a emoção demonstrada:


quarta-feira, junho 13

E a Copa vai começar...

A Copa começa neste belíssimo estádio...
A Copa será na Rússia. Todos sabem disso, mas o que poucos lembram é que a FIFA manobrou para tirar dos ingleses o Mundial deste ano, depois que nasceram denúncias pesadas contra os Dirigentes da entidade ( e da UEFA ) feitas pela imprensa da terra da Rainha. Esta Copa, que parece fora de tudo o que sempre foi, poderia ser em uma terra democrática e com altos valores democráticos, mas não o será. 

Quando a bola rolar amanhã ao meio-dia no gramado do Estádio Luzhniki na Capital Moscou, tudo isso ficará para trás, é claro. Afinal, Copa é um momento único. Vivenciamos isso aqui 4 anos atrás e assim será agora. A Copa é diferente e todos que gostam de Futebol, viverão 30 dias intensos. 

A abertura é meio sem sal, porque os anfitriões nunca foram potência no esporte e o adversário, Arábia Saudita, não ajuda muito. Mas será uma abertura e tem sua atração. No mais, é ver as outras partidas, esperar pelas surpresas e torcer para o Brasil, é claro, e secar os argentinos, que é de lei...


O Brasil em Copas: as boas campanhas

1978, Argentina - Batalha de Rosário terminou em 0x0 e selou finalista daquela Copa
1938, França - Com organização fora de campo, quase a primeira final.
1986, México - A última chance de uma geração termina nos pênaltis.
1950, Brasil - Até 2014 estes homens foram acusados, injustamente, de um imenso fiasco
Depois dos vexames, as boas campanhas que não terminaram em títulos, mas que poderiam ter chegado lá. Antes de falar destes, explicando porque estes entraram e outros não: O Vice de 1998 não entra porque o time era o atual campeão a época ( mesmo motivo porque 2006 e 1974 não entraram ) e o time perdeu uma partida e tomou um vareio na final, já 2010 não é nem fiasco e nem sucesso e 1954 não se encaixa em nenhuma categoria. E por fim, a primeira Copa onde tudo era novidade não pode ser considerada fiasco. Vamos aos bons resultados obtidos pelo Brasil na história das Copas:

1938, França - Organizado dentro e fora de campo, Brasil quase chegava lá.

Depois de duas campanhas frustantes e sem levar o que de melhor tinha a sua disposição, o Brasil enfim levava a Copa uma Seleção digna do nome. Depois de se resolver fora de campo, a CBD pôde finalmente contar com os melhores. Mesmo que um nome ou outro não tenha sido convocado, o time que viajou em condições de fazer uma grande campanha. E de fato fez.

O regulamento era o mesmo da Copa anterior, com mata-mata desde o começo. O Brasil mediu forças com a Polônia e foi um confronto histórico: 6x5 na prorrogação, com direito a gol descalço de Leônidas da Silva. Depois de bater os "polacos", o Brasil mediu forças com a Tchecoslováquia e a partida não foi menos dura: 1x1 no tempo normal e na prorrogação. No jogo desempate, 2x1 de virada. E ai o grande jogo: contra a Itália, então campeá que eliminara a França por 3x1. A partida foi 2x1, sendo que Romeu descontou apenas no final da partida. O lance famoso, contudo, aconteceu quando o jogo estava 1x0: Domingos da Guia derrubou o atacante Piola quando a bola estava no ataque o árbitro marcou penalty, que virou o segundo gol italiano.

Como consolo o time venceria a Suécia por 4x2 terminando em terceiro lugar. De quebra ainda teve o artilheiro em Leônidas com 7 gols. Enfim o Brasil fazia-se presente nos Mundiais. E daria um passo a mais na Copa seguinte, adiada em 8 anos devido a Guerra que explodiria no ano seguinte.

1950, Brasil - Um vice alçado a grande campanha depois dos 7x1.

Quando Obdúlio Varela recebeu de Jules Rimet a taça, o Brasil começou uma perseguição com aqueles 11 jogadores que perderam a Copa dentro do Maracanã. Mas uma coisa não tem como ser apagada: foi uma grande campanha. Depois do terceiro lugar na França 12 anos antes, o Brasil se preparara para vencer a Copa. E passou perto disso. E em 6 partidas, foram 4 vitórias, 1 empate e aquela única derrota. Jogos inesquecíveis com os 7x1 na Suécia ( até hoje maior goleada do Brasil em Copas ) e o 6x1 na Espanha ( com direito a todo o estádio carioca cantando "Touradas em Madri". Teve um empate em 2x2 com a Suíça em São Paulo, onde o técnico Flávio da Costa fez ajustes na escalação, tornado-a mais "paulista".

O fato é que aquele time era muito bom e perdeu um jogo em que foi melhor, mas sofreu 2 apagões. Daquele elenco estelar, apenas 2 jogadores seriam bi-campeões em 1958 e 1962 ( Castilho e Nilton Santos ) e apenas 6 estariam na Copa seguinte, curiosamente disputada na Suíça. Nomes como Zizinho, Danilo, Ademir de Menezes e Moacir Barbosa jamais voltariam a vestir a camisa da Seleção e nunca vestiram a "amarelinha", criada apenas em 1953 depois de um grande concurso.

Até o massacre sofrido no Mineirão, o Maracanazo era o grande fiasco em Copas, injustamente é claro. Com os 7x1 aplicados pela Alemanha os 11 jogadores foram absolvidos. Pena que nenhum deles estavam vivos para receber tal honraria...

1978, Argentina. Numa Copa disputada em uma Ditadura, Brasil se declara Campeão Moral

Quando fala-se da Copa da Argentina, uma coisa sempre vem a mente: os 6x0 que os rivais meteram no Perú ( que só tomara 3 gols uma vez naquela Copa ) que nos tiraram a vaga na Final. Mas teve mais que isso: no intervalo daquela partida, o Ditador Jorge Videla entrou no vestiário peruano. O que ele teria dito? Tenho até medo de pensar. O que se sabe de verdade é que o placar virara 2x0 e terminaria em 6x0. E mais seria se fosse preciso. 

O Brasil chegou aquela Copa sem grande pretensões, com apenas um remanescente do time do Tri ( Rivelino ) e jovens valores ainda não tão brilhantes assim ( Zico, Cerezo e Dirceu ). Mas uma ausência foi sentida demais: Falcão, apenas o melhor jogador do Brasil a época. Ele cobrara Cláudio Coutinho por uma vaga de titular e terminou fora da Copa. Em seu lugar, foi Chicão um volante pra lá de brucutú que entrou em campo só uma vez: em Rosário para marcar Mário Kempes. Deu certo, mas o Brasil não venceu o jogo. E ai foi depender do resultado dos Argentinos contra o Peru.

Eliminado da final, o time ainda foi jogar a decisão do terceiro lugar contra a Itália, numa prévia do que seria a partida de Sarriá, quatro anos mais tarde. Desta vez, contudo, deu Brasil por 2x1, de virada, com direito a um golaço de Dirceu e um petardo espetacular de Nelinho que até hoje não tem explicação.

1986, México - Franca de Platini começa a ser a pedra no sapato

Até 1986, o Brasil tinha enfrentado a França em Copas apenas 1 vez: na semifinal de 1958 e com direito a goleada de 5x2. Mas naquela tarde de Junho, não teve festa para o Brasil. Careca, que fez excelente Copa, abriu o placar em bela jogada coletiva, mas Platini empatou em falha defensiva. Até que Zico, que acabara de entrar, deu um passe mágico para Branco sofrer pênalti de Joel Bats, o goleiro francês. Zico, ainda frio, bateu e perdeu a cobrança, defendida por Bats, que seria carrasco mais a frente. O 1x1 se manteve na prorrogação, com a França mais perto da vitória do que o Brasil. E nos pênaltis a França errou apenas 1 ( com Platini ) enquanto o Brasil perdeu 2 ( Sócrates e Júlio César ).

A Copa que seria de Maradona, marcou a despedida de vários jogadores que tinham perdido para a Itália na Copa anterior, como Zico, Socrátes e Falcão, e de vários novatos dos quais apenas 2 seriam campeões oito anos depois ( parece com 50, não? ): Branco e Muller. A seleção treinada por Telê Santana foi criticado por enfraquecer o elenco ao cortar Renato Gaúcho, descoberto voltando de uma balada, e forçar o corte de Leandro. Além disso o time não foi tão bem quanto em 1982, mas fez boas partidas mesmo assim.

E o pior é pensar que depois desta, tivemos confrontos ainda mais doloridos contra os Azuis...