Patrocínio

Patrocínio

sexta-feira, outubro 14

Porque o FlaxFlu desta quinta é uma vergonha sem precedentes

Cena de um clássico que passará para a infâmia
Nelson Rodrigues dizia, com sua espetacular sabedoria, que o FlaxFlu fora criado 10 minutos depois do nada. Faz sentido. É um clássico com grandeza comparável aos maiores do planeta, como Barcelona x Real, Inter x Milan, United x Liverpool, Celtic x Rangers dentre tantos outros espalhados pelo mundo afora. Tudo nele é grandioso, quando pode decidir campeonato então...

O tricolor vinha se recuperando, buscando vaga na Libertadores. O rubronegro tenta a todo custo conquistar o Hexa ( sim, Hexa mesmo, porque é Penta atualmente ), brigando ponto a ponto com o Palmeiras. Ontem em Volta Redonda, os dois rivais mediram forças em uma partida que, tirante um lance, estava digno da história da peleja. Tudo ia bem até que, perto do fim da partida, Henrique cabeceou para o fundo das redes ( com uma certa ajuda do goleiro Muralha ) e assistente marcou impedimento. E ai começou a confusão que vai dar muito pano para manga caso o Urubu venha a ser campeão por poucos pontos.

Primeiro é preciso dizer que o Assistente Emerson Augusto de Carvalho, acertou. Henrique, que fez o gol, e Gum estavam a frente de Jorge que era o último homem do Flamengo no lance. Pouca coisa, mas estavam. Alguns podem aventar que a regra diz que na dúvida pró-ataque. E é verdade, existe realmente esta recomendação, mas acontece que Emerson não teve dúvidas. E estava certo. O problema foi do árbitro FIFA Sandro Meira Ricci - sim, ele mesmo que apitou na Copa - assumir para si a responsabilidade do lance, que ele nem estava com visão ideal. 

Aqui é preciso mencionar que o árbitro possui essa prerrogativa, de não ser obrigado a acompanhar a marcação dos seus assistentes. Portanto, nada errado existe na atitude de Meira Ricci. Mas é aqui que começam os problemas: ele não terminou a confusão rapidamente e deu margem ao maior problema da noite: pessoas ligadas ao Flamengo, viram pela TV e ligaram para quem estava no banco de reservas e avisou que tinha sido impedimento. E, lógico, todos foram para cima do assistente e de Ricci.

Ai vem a pergunta de milhão de dólares: o que fazer? A FIFA determina - e não é uma recomendação - que NADA externo ao campo altere a decisão do árbitro, exceto a opinião de seus auxiliares. Ora, se Ricci ignorara a marcação de Emerson Carvalho, o que poderia fazer ele mudar - outra vez - de opinião e anular o gol de Henrique? Só a Televisão, é claro. Pressionado pelos jogadores e dirigentes, parece claro que Ricci recebeu ( ou pediu ) do Delegado ou do 4º Árbitro uma confirmação do que diziam os flamenguistas, para não ser mais criticado ainda.

E é aqui que ele perde-se ainda mais, até porque o jogo ficou parado quase 12 minutos, com ele envolto numa proteção de seguranças e policias enquanto conversava com seus assistentes. Mas o que ele - e o do outro lado então nem vira nada - poderia ouvir de diferente do que já ouvira e decidira ignorar? Nada, é claro. Ele ficou perdido e sem saber o que fazer. Logo ele, um árbitro de Copa do Mundo... ficou feio, muito feio para ele. Para Emerson Carvalho nada pesará porque ele acertou desde o começo. Mas para Ricci... deverá colher uma bela punição, ficando fora de escalas, não apenas nacionais. Um verdadeiro papelão. E Ricci não explicou nada na Súmula e nem o que o fez mudar pela segunda vez de opinião. Papelão dobrado.

E o campeonato? Bom, se o Flamengo vencer o campeonato por menos de 2 ( o que lucrou com a anulação ), será muito questionado e lamentado por quem ficar com o Vice. Até porque que outros times terão erros consertados dessa maneira? Um erro a favor do Flamengo será corrigido? Claro que não.

Por isso este escriba defende o fim da lei do impedimento. Só serve para atrapalhar. Mas é claro, isso jamais vai acontecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário