Patrocínio

Patrocínio

quinta-feira, novembro 17

Após prender 2 ex-Governadores do Rio de Janeiro, a PF está perto de pedir música no Fantástico

Cabral foi presos hoje. Pezão, será o próximo?

Garotinho preso ontem, fez cara de surpreso... que coisa, não?
O Brasil está mesmo mudando. Antigamente para podermos falar da prisão de 2 ex-Governadores seria necessário fazer uma retrospectiva de um ano, muitas vezes de mais tempo. Pois com o advento da Operação Lava Jato o Estado do Rio de Janeiro - que vive uma situação deplorável em suas contas públicas - de ontem para hoje tornou possível falarmos sobre as prisões de Anthony Garotinho e Sérgio Cabral Filho em dias consecutivos. E ambos filiados ao mesmo partido, o PMDB. Sinal, mais do que evidente, de que realmente existe uma mudança em curso neste país. E de que o combate à corrupção não é apenas contra um único partido como apregoam os integrantes do PT.

É preciso pontuar que Garotinho não foi preso por causa da Operação Lava Jato e seus intermináveis desdobramentos. O caso dele é porque, segundo a Polícia Federal, estaria usando o Cheque Cidadão para compra de votos na Eleição 2016. O Programa era um dos carros chefe de Garotinho quando governou o Estado e replicado em Campos, cidade Governada pela esposa Rosinha ( e onde o ex-Governador era Secretário de Governo ). O Cheque Cidadão distribui 200 reais para pessoas de baixa renda. O golpe, segundo a PF e Ministério Público Estadual, ele oferecia colocar pessoas no programa em troca de votos. Segundo as investigações em apenas 2 meses o beneficiários passaram de 12mil para 30mil. Garotinho, é óbvio, nega as acusações.

O caso de Sérgio Cabral é diretamente ligado à Operação Lava Jato: segundo as investigação ele teria participado de uma cartelização das obras no estado. Ele receberia 500mil mensais das construtoras na forma de propina. A PF denominou a Operação de Calicute, uma clara referência ao nome do ex-Governador e ao Porto que fica Índia considerado um dos mais inóspitos da época das grandes navegações. Cabral governou o Estado entre 2006 e 2014 e elegeu seu Vice, Luiz Fernando Pezão. Na época parecia uma dos melhores Governadores de todos os tempos, não só do Rio inclusive, e agora vemos que o quão danosa foi sua gestão. Terminando com sua prisão, depois de diversos fatos pitorescos e até mesmo vergonhosos: como  o anel de 800mil reais que Fernando Cavendish para para a mulher de Cabral ou de quando os dois deixaram o país perplexo com fotos nos mais caros Restaurantes de Paris.

Adiciono a estas duas prisões o papel crucial na crise vivida pela população do Estado, os nomes dos ex-presidente Lula e Dilma. O primeiro por ter sido fiador das eleições de Cabral e a segunda por ter mexido - e muito mal - na distribuição dos Royalties do Petróleo. Ambos viviam dizendo as quatro cantos que o Estado era exemplo para o Brasil e de que eles, Lula e Dilma, eram co-participantes do sucesso pelo qual - supostamente - passava o Rio de Janeiro, não só o Estado, mas também a Capital, que também não está nada bem das pernas. Além disso, convém citar os pesados gastos da Copa e da Olimpíada chegaram pra valer e ninguém dos que afiançaram tais gastos aparece agora para dar as caras. Infelizmente...

Depois ninguém entende porque a disputa pela Prefeitura do Rio ficou entre dois Marcelos: um horrível, o Crivella, e outro tenebroso, o Freixo. Pobre da Cidade Maravilhosa, que padece desde muito cedo com seus ( péssimos ) Governantes...

Nenhum comentário:

Postar um comentário