Patrocínio

Patrocínio

terça-feira, novembro 22

Coritiba e Atlético-PR estão fora da 1ª Liga por causa da bajulação com o Flamengo

Dupla do Paraná toma decisão ousada e acertada
O futebol brasileiro padece de um mal que é comum em todos os assuntos de nosso cotidiano: todos querem levar vantagem. Erradamente atribuída ao grande canhotinha de ouro, Gerson de Oliveira Nunes, que é conhecida com a "Lei de Gerson". Segundo tal lei "brasileiro e gosto de levar vantagem em tudo". 

Pois bem, no fim de 2014 diversos Clubes de Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul começaram conversas para ressuscitarem a Copa Sul-Minas. Deram até um nome interessante de Primeira Liga. Seriam 12 clubes e tudo parecia bem encaminhado para uma disputa em 2016. Até que uma briga de Flamengo e Fluminense com a Federação ( sempre elas, inúteis e que atrasam nosso esporte ) Carioca fez com os dois times quisessem entrar na competição. E o que poderia ser uma ótima notícia, que poderia gerar mais receita, virou um problema.

O Flamengo acha, ao lado do Corinthians, que tem o dom divino de ganhar mais do que todos. Que possui a maior torcida ninguém discute, mas isso não pode fazer com que ele ganhe SEMPRE mais que os outros. E isso, mais dia menos dia, iria causar revolta nos times. Em 2011, com o apoio de Andrez Sanches, o Clube dos 13 foi implodido e o Flamengo passou a ganhar a maior cota, superior ao do segundo colocado em mais de 50 milhões. Atualmente essa diferença é de assustadores 60 milhões. Mas para os times que recebem menos a diferença é de 150 milhões. 

A primeira edição saiu do papel com apenas 5 datas e o Fluminense foi o campeão, derrotando o Atlético-PR em partida única. Durante o ano de 2016 a Liga assinou um contrato de 69 milhões com a Globo ( outra que só sabe atrapalhar o futebol ), que previa quatro faixas de distribuição dos recursos, uma só para o Flamengo que - obviamente - receberia mais do que os outros 15 membros da Liga. Isso sem falar que por pressão dos Clubes, a Direção da Liga preferiu não fazer licitação com regras e com isso o Esporte Interativo saiu da disputa. Com essa medida os Clubes, que coisa, aceitaram receber menos para ficar com a Globo e assim conseguirem ( idiotas ) vantagens em outras negociações com a Emissora da Família Marinho. "Santa, Burrice", diria o Robin...

Com isso a dupla Atle-Tiba deixou a Primeira Liga, por não concordarem com isso. Eu louvo a decisão da dupla, porque sem eles a competição perde e, por tabela, Globo e o Flamengo. Também é preciso dizer que a gênese do grupo era ser uma força contra o poder da CBF e assim pressionar por melhorias para os Clubes. E isso foi deixado de lado porque o câncer da Globo entrou no meio e com ela a "proteção" ao Flamengo. Os outros Clubes, por enquanto infelizmente se calaram. Preferem receber menos, mas receber.

Outras deserções ainda são esperadas, como a do Atlético-MG que diz não ter datas para jogar a competição, que de quebra ainda nem foi reconhecida pela CBF. E o que no começo poderia ser um alento para o sofrido futebol brasileiro, virou mais do mesmo. Tudo porque tem time, com o lamentável respaldo de uma emissora, que acha que tem que levar vantagem sobre todos. Mesmo que isso acabe com o futebol brasileiro, como tem acontecido ano após anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário